sexta-feira, 15 de abril de 2011

recebi esse e-mail

Boa tarde Ana Carolina,
 
Meu nome é Ricardo Goes e também moro e estudo na cidade de Cochabamba (UNIFRANZ). Escrevo para elogiar os seu blog Medicinacochabamba. Vejo que voce tem uma longa história orientando sobre temas de importância aqules que estudam ou pretendem estudar na Bolívia. Parabéns pela iniciativa.
Aproveito a oportunidade para dizer que tambem prestamos um serviço de utilidade pública de assessoramento gratuito aos futuros estudantes e calouros através do site www.boliviabrasileira.com
 
Alem disso, represento a empresa Convalidar, que presta serviços de legalizaçao de documentos nos orgaos oficiais do governo em Brasilia (MEC, MRE E CONSULADO) por um preço bem mais assessível. www.convalidar.jimdo.com
 
Muito em breve o novo portal da nossa empresa vai estar pronto, como muitas informações sobre todas as cidades da bolivia (mas principalmente sobre nossa querida cochabamba) e, por isso, gostaria de manter contato, pois podemos ajudar-nos. Tomei a liberdade de adicionar o seu msn e ja sou um seguidor do seu blog. O nosso msn é convalidar@hotmail.com
 
Um abraço e boa sorte!
Ricardo Goes
(Convalidar)
 

segunda-feira, 21 de março de 2011

MEC Exame nacional vai revalidar diplomas médicos do exterior

18/03/2011 23:15:40
Educação superior

Exame nacional vai revalidar diplomas médicos do exterior

Sexta-feira, 18 de março de 2011 - 14:36 Foi publicada nesta sexta-feira, 18, portaria interministerial que institui o exame nacional de revalidação de diplomas médicos expedidos por universidades estrangeiras (Revalida). O exame será aplicado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), em colaboração com a subcomissão de revalidação de diplomas médicos, da qual participam representantes dos ministérios da Saúde, Educação e Relações Exteriores e da Associação Nacional dos Dirigentes de Instituições Federais do Ensino Superior (Andifes), além do Inep.

A partir da publicação da portaria, será divulgado pelo Inep o edital com o cronograma e os prazos para adesão das instituições e inscrição dos candidatos. As universidades públicas interessadas em aderir ao exame firmarão termo de adesão com o Ministério da Educação. Pode inscrever-se o candidato que tenha diploma expedido no exterior, em curso reconhecido pelo ministério da educação ou órgão correspondente do país onde se formou. O edital também definirá os locais onde a prova será aplicada.

O Revalida será realizado em duas etapas, sendo a primeira constituída de prova teórica e a segunda de prova prática de habilidades clínicas. A avaliação será feita a partir da matriz de correspondência curricular, documento elaborado pela subcomissão de revalidação tendo como referência as diretrizes curriculares nacionais do curso de medicina no Brasil.

Projeto Piloto - A elaboração de um novo modelo para a revalidação dos diplomas obtidos por estudantes em universidades estrangeiras teve início no ano passado, a partir de um projeto piloto do qual participaram 25 universidades públicas de ensino superior do país. Inscreveram-se no projeto piloto 628 candidatos com diplomas oriundos de 32 países.

Atualmente, os alunos formados em medicina em universidades de outros países precisam revalidar seus diplomas em alguma instituição pública de ensino superior. O processo, porém, é moroso e não padronizado, já que cada instituição adota um procedimento próprio. A expectativa é de que, com o exame nacional, o processo seja unificado, com critérios técnicos e conceituais claros, podendo ser realizado num intervalo de seis meses a um ano.

Assessoria de Imprensa da Sesu

Notícias Governo lança exame para médico formado no exterior

21/03/2011 00:05:00
Governo lança exame para médico formado no exterior
Após revisão do exame, governo decide fixar uma nota de corte para os candidatos
18 de março de 2011 | 19h 36
LÍGIA FORMENTI - Agência Estado
O governo federal lançou hoje um exame nacional para validação de diplomas de médicos formados no exterior. O formato adotado é semelhante ao projeto piloto, realizado ano passado, mas com uma diferença fundamental: a determinação da nota de corte para os candidatos.
Dos 628 médicos formados no Exterior que se inscreveram no teste piloto de validação, feito em outubro, apenas 2 foram aprovados. Um número bastante reduzido que, para organizadores, refletiu problemas na formulação da prova.
A secretária substituta de Gestão do Trabalho e da Educação do Ministério da Saúde, Ana Estela Haddad, avalia que o problema ocorreu na montagem da prova, algo que poderia ter levado o nível de dificuldade ser superior ao que era esperado. Para evitar que o problema se repita, o sistema foi alterado. Depois de montada, a prova será avaliada por um painel de especialistas e, com base nessa avaliação, a nota de corte será fixada.
Essa mudança poderá fazer com que a nota de corte varie de acordo com as edições do exame. Ana Estela acredita que essa flutuação não provocará questionamentos na Justiça. "O modelo foi analisado por integrantes do Ministério da Saúde e da Educação e esse risco não foi mencionado", contou Ana. A secretária substituta também acredita que a segurança da prova estará preservada, mesmo sendo avaliada por um painel de examinadores. "O critério de seleção dos profissionais é rigoroso e a segurança é rígida", disse. A prova será feita pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inpe).
Assim como o projeto-piloto, a prova de validação será feita em duas etapas. Uma prova escrita, que provavelmente será marcada para junho, e uma prática, prevista para agosto. Nos próximos dias, serão publicadas regras para que universidades públicas interessadas em oferecer a prova. O termo de adesão terá um período de validade e poderá ser renovado. A expectativa é de que a inscrição para a prova escrita custe R$ 150,00. Médicos reprovados no projeto piloto podem fazer a prova sem esse pagamento. De acordo com Ana, a isenção é uma espécie de reconhecimento pela participação em um projeto experimental.
No ano passado, 25 universidades públicas participaram do projeto piloto, aplicando as provas. Apesar da baixa aprovação, o formato do processo foi elogiado por instituições de ensino e pelo Conselho Regional de Medicina de São Paulo. O receio era apenas o de que, com pequena parcela de aprovados, os critérios para aprovação fossem flexibilizados. Para Ana, o ajuste realizado não trouxe esse risco. "A prova será justa. Por questões de segurança de toda população, é indispensável que a qualidade do profissional seja preservada".


Fonte: Estadão

terça-feira, 15 de março de 2011

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

APartamento

Eu to sem ap em Cochabamba!!!!!!!!!!!!!!!!! Cada dia tá mais dificil encontar um ap pra morar em cochabamba perto da faculdade,  devido ao aumento de alunos brasileiros.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

quarta-feira, 30 de junho de 2010

H1N1

Trabalho da faculdade Upal


Vacinas contra a Gripe H1N1 e informações pra comunidade de Cochabamba

Brasilllllll

Jogo do Brasil na casa da Marilza.


Quando vc mora longe da família é bom t amigos por perto ...

churrasco

Faz  tempo que não posto nada que já tinha esquecido a senha do blog .. rsrsrsrsrsrsr


Como sempre muita gente me add no MSN e sempre fazem as mesmas perguntas.

Agora eu só vou responder quando os calouros pagarem suas dividas comigo. Pq antes de chegar aqui quando essas pessoas estão pedindo informações no MSN, fazem 10000 promessa s, que vão pagar churrasco pra mi, q vão pagar sorvete, que vão pagar cerveja ..... e muitos que chegam aqui nem falam comigo .... isso não eh justo rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrssrs quero, churras, cerveja e sorvete

domingo, 28 de março de 2010

Universidades recebem inscrições para revalidação de diplomas

Universidades recebem inscrições para revalidação de diplomas


Escrito por Viviane Teixeira

11-Jan-2010

Médicos formados no exterior podem entregar a documentação e participar do projeto piloto

Os ministérios da Educação e da Saúde publicaram edital que torna pública a abertura de inscrições para o Projeto Piloto de Revalidação de Diplomas de Médico Obtidos no Exterior. Os interessados devem entregar a documentação no período da próxima segunda-feira, 18, até 12 de fevereiro. O processo de revalidação é aberto a brasileiros ou estrangeiros em situação legal de residência no Brasil que tenham diplomas de médico expedidos por estabelecimentos de ensino superior.


O edital adverte ainda que, antes de efetuar a inscrição, o candidato precisa se certificar de que preenche todos os requisitos exigidos e que, uma vez efetivada a inscrição, não será permitida a alteração, em hipótese alguma.
O pedido de revalidação do diploma deverá ser formalizado através de requerimento dirigido ao reitor das universidades listadas no anexo do edital. Ainda de acordo com o edital, a Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação, juntamente com a Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, encaminhará ao Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) a lista de candidatos que obtiverem a homologação de sua inscrição no Projeto Piloto de Revalidação de Diplomas de Médico Obtidos no Exterior, até o dia 23 de março de 2010, ficando o Inep responsável pela publicação dos resultados.

Os candidatos aprovados na primeira e segunda etapas de avaliação estabelecidas no Projeto Piloto terão seus diplomas revalidados pela universidade em que submeteram a sua inscrição, que tomarão as providências de registro e apostilamento previstas na Resolução CNE/CES número 08/ 2007.

quinta-feira, 18 de março de 2010

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

2010

Um dia temos tudo e no outro nao temos nada, lembrei do filme " Em Busca da Felicidade... poderia afirmar que a vida de uma pessoa muda de um dia pro outro... assim eh 2010 cheio de mudanças.

Amigos chego em Cochabamba dia 27 de fevereiro, manha d noite.... estava demorando a postar pq estava d ferias e sem computador ...

Desculpa por nao t  falado com algumas pessoas no msn, pois como jah disse estava de ferias sem computador ...

beijocas e que venha fisioooo esse ano kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Hotel

Quando cheguei em Cochabamba fiquei em um hotel ate encotrar um AP pra morar ... hotel barato e bem legalzinho ...

LA FONTAINE ORURO HOTEL -
ENDEREÇO : calle hamiraya entre colombia y av. heroinas
tel 4252838- 4584119

localizado bemno centro de Cochabamba

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

REPÚBLICA






Muito cuidado com quem vc vai morar.. isso eh uma das coisas mais complicadas. Respeite o limite do seu amigo lembre sempre que vc não tah mais na casa do papai ou da mamãe ... tenha o mínimo de educação e consciência.


se tem alguma coisa na geladeira que não foi vc que comprou não coma kkkkkkkkk

Dicas

1. Encontre o colega de moradia certo

Encontrar a pessoa certa para dividir apartamento ou montar uma república é muito importante, não há duvida. Tendo isso em mente, aqui está a primeira dica: não fique tentado a morar em um determinado lugar por pura conveniência (Ex.: um quarto disponível bem localizado e baratinho). Mesmo que o lugar seja tentador, não esqueça que você terá que dividir esse lugar com outras pessoas. Tente se esforçar para descobrir como pode ser a convivência com seus novos colegas de lar antes de tomar essa importante decisão!



2. Estabeleça regras básicas de convivência

Uma das coisas que mais causam problemas em uma moradia compartilhada é o comportamento dos membros da casa no dia a dia. Cada um é cada um, certo? Então por quê não estabelecer algumas regras básicas sobre o volume do som, visitantes, reposição do papel higiênico e etc? Não é tão difícil quanto parece. Se todos jogarem de acordo com essas regras, a chance de se viver em um lar harmonioso e feliz é muito maior.



3. Dividindo o trabalho

Existem trabalhos que precisam ser feitos - mesmo que ninguém goste de fazê-los. Há diferentes maneiras de lidar com isso quando se está dividindo moradia com outras pessoas. A escolha é sua. Você pode decidir morar num apê sujo até que a vigilância sanitária bata na sua porta, mas você pode também querer manter o lugar calmo e limpinho. A melhor maneira de se chegar a isso é fazer um plano de atividades semanais com o serviço da casa. Nesse plano, é importante que todos os moradores participem desde o começo. Se tudo der errado, ao menos é uma maneira de descobrir quem é que está deixando de fazer o trabalho sujo!

4. Pagamento de contas

Outra coisa muito importante para o bom funcionamento de uma república ou moradia compartilhada é o planejamento das contas. Por mais que ninguém goste, não tem jeito – as contas chegam todo mês. Não é só isso: elas ainda precisam ser pagas! Tenha em mente as datas de vencimento e a maneira de dividir o pagamento de todas as contas da casa. Entre outras vantagens, isso pode previnir que alguém fique sem luz no meio de um banho quente!





5. Trate seus colegas de moradia como você gostaria de ser tratado

Essa é talvez a dica mais simples, mas muito provavelmente a mais importante de todas. Não é nenhuma novidade: se você trata seus colegas como você gostaria de ser tratado, a chance de que isso seja recíproco é sempre maior. É tão simples quanto parece. Afinal das contas, trata-se de morar junto, e você pode começar dando o primeiro passo a fim de tornar esse espaço um lugar de convívio cada dia melhor!

MALANDRO



Muito cuidado.... acabei de receber uma noticia de um leitor do Blog


Ele disse que mandou o dinheiro pra uma menina que estuda na UNIVALLE pra fazer sua matricula e a de mais 3 amigos na Upal no valor de 1.400 reais e a garota sumiw com o dinheiro .. gente muito cuidado com os malandros

domingo, 6 de dezembro de 2009

Bolívia acaba com exigência de pré-visto para estudantes brasileiros




Por AGENCIA ALEAC

02 de dezembro de 2009

Os movimentos da Aleac pela flexibilização da burocracia para permanência de estudantes brasileiros na Bolívia deram seu primeiro resultado. O estudante acreano do 5o ano de Medicina em Santa Cruz de la Sierra, Adriano Marcel da Silva, telefonou eufórico para o assessor político da Aleac, Jair Santos na tarde desta quarta-feira, 2. “O visto consular, ou pré-visto, foi abolido, não necessitamos mais fazer, pois é inconstitucional. A própria Polícia de Imigração está avisando”, relatou Marcel.

O estudante informou que, até o momento, não houve nenhuma divulgação formal sobre a abolição do pré-visto. Eles ficaram sabendo depois que a polícia deu uma batida em busca de residentes ilegais na Universidade de Aquino da Bolívia (Unabol). “Eles levaram diversos ilegais, conversaram e disseram que agora está mais fácil obter o visto”, relatou Marcelo.

O pré-visto a que se refere Adriano é uma regra, agora abolida, que obrigava os estudantes brasileiros, antes de solicitar um visto permanente, a obter um visto nos consulados bolivianos no Brasil. O estudante explicou que ele, como acreano, foi obrigado, primeiro a tirar um visto no consulado boliviano de Brasiléia ao custo de 50 dólares e com validade de apenas 30 dias. “Só com este visto eu pude obter o outro visto para permanecer em Santa Cruz”, informou.

Pelo entendimento de Adriano, a abolição do visto consular é o primeiro reflexo das interferências da Aleac junto ao Ministério das Relações Exteriores do Brasil e junto ao governo boliviano. Em outubro passado, o presidente da Aleac, deputado Edvaldo Magalhães, e seis deputados estiveram em La Paz reunidos com os ministros da Justiça e da Educação da Bolívia pedindo mais flexibilidade na burocracia para a permanência de estudantes brasileiros naquele país.

Na semana passada, Edvaldo e uma comitiva de deputados estaduais e da bancada federal do Acre tiveram uma reunião no Itamaraty, em Brasília, com os embaixadores Antonio Patriota, diretor-geral do Ministério das Relações Exteriores e Oto Agripino Maia, subsecretário das Comunidades Brasileiras Residentes no Exterior.

Na pauta da reunião, parlamentares e diplomatas discutiram uma alternativa para que o governo boliviano acabe com a burocracia para a concessão de vistos para estudantes, já que um acordo de 1939 prevê o livre trânsito de estudantes entre os dois países.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

PROJETO

PLENÁRIO / Votações


25/11/2009 - 21h40 Projeto fixa em seis meses prazo para revalidação de cursos de graduação e pós-graduação concluídos no exterior


O prazo para revalidação de diplomas de graduação e de pós-graduação expedidos por universidades estrangeiras será fixado em seis meses. É o que determina o projeto de lei do Senado (PLS 498/03), de autoria da senadora Serys Slhessarenko (PT-MT), que sofreu alterações na Câmara dos Deputados e foi definitivamente aprovado pelo Plenário do Senado nesta quarta-feira (25). O projeto vai agora à sanção presidencial.




Atualmente, uma resolução do Conselho Nacional de Educação determina que a universidade deva se pronunciar sobre o pedido de revalidação dos cursos de graduação feitos no exterior no prazo máximo de seis meses. A atual legislação não fixa, no entanto, prazo para a revalidação dos cursos de mestrado e doutorado concluídos em universidades estrangeiras e também não disciplina a revalidação de cursos de pós-graduação lato sensu.



Pelo projeto original aprovado no Senado, o prazo máximo era de quatro meses para revalidação dos diplomas de graduação e de seis meses para os de pós-graduação. Um das modificações feitas pela Câmara unificou esse prazo em seis meses. Outra mudança feita pelos deputados apenas renumera os itens do projeto, melhorando sua forma.



Essas duas alterações foram mantidas pela relatora, senadora Marina Silva (PV-AC), na Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE). Já uma terceira modificação da Câmara foi rejeitada pela relatora. Essa modificação permitia a revalidação dos diplomas em caráter provisório pelo prazo de seis meses, renovável pelo mesmo período. A relatora considerou a medida inadequada e temerária, particularmente nos casos de revalidação de diplomas de graduação em Medicina. A CE aprovou o relatório de Marina e o Plenário confirmou o parecer da comissão.



O PLS 498/03 altera o artigo 48 da Lei 9.394/96, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). Por esse artigo, os diplomas de cursos superiores reconhecidos, quando registrados, terão validade nacional como prova da formação recebida por seu titular.



O projeto acrescenta itens a esse artigo para estabelecer, que, na revalidação de diplomas expedidos no exterior, deverão ser verificados os seguintes critérios nos cursos de graduação, com relação à correspondência dos conteúdos curriculares entre as universidades: acima de 95% a conclusão será pela equivalência do currículo; entre 95% e 75% o candidato deverá submeter-se a provas na própria universidade responsável pela revalidação do currículo; e abaixo de 75% será indicada a realização de estudos complementares na própria universidade ou em outra instituição que realize curso correspondente, ressalvada, em qualquer caso, a classificação em processo seletivo.



Helena Daltro Pontal e Moisés Nazário de Oliveira / Agência Senado



(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Alessandro disse

Alessandro disse...


olá...vi um pos seu que queria mais comentários...

t digo uma coisa, claro que esta sendo muito util, aliás...vou te amndar um email de uma noticia bem interessante que vi na net...vai por email...



RESPOSTA DO BLOG  ... ALESSANDRO NAO RECEBI O E-MAIL MANDA DE NOVO

Dinheiro



Quem vem estudar na Boliva tem que lembrar de trocar todo dinheiro em Boliviano ou em dólar , pq aqui eh muito difícil trocar Real, na verdade eu nem sei se troca.


Muito cuidado com as notas de 200 bolivianos, pois aqui tem uma grande circulação de notas falsas ... d preferência as notas de 100 bolivianos e de 50 bolivianos ...

ATE SEXTA DIA 4 DE DEZEMBRO

Galera quem for fazer a matricula comigo tem q fazer ate sexta, pq esse final de semana aqui vai t eleição, então não sei ate que dia a faculdade vai ficar aberta e eu vou pro Brasil na quinta dia 10... Agiliza logos os documento e manda pra mim .... LEMBRAND0 que os documento que vc vai mandar pra mim scaniado nao necessita os carimbos de Brasilia no momento ...

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

UNIVALLE X UPAL


Muita gente me pergunta sobre a univalle e sobre a Upal ...


Sobre a Upal eu falo tudo pq eu estudo lah, mais sobre a univalle eu não conheço .. mais tenho amigos que estudam lah e tbm tenho amigos que estudavam na univalle e hj estudam na UPAL...

As duas são muito boas, são as melhores de Cochabamba

A diferença eh que a Univalle tem o campus muito grande, ate pq não tem só Medicina tbm tem outros cursos , é mais cara e muito longe da cidade

Jah a Upal tem o prédio pequeno mais é exclusivo pra medicina, é localizada dentro da cidade e a mensalidade é menor

Comentário



Comentários
Galera comentem por favor no meu blog .. pq se não tiver comentários eu não tenho como saber se o blog tah servindo pra alguma coisa ou pra alguém ...o comentário eh uma forma que eu tenho pra saber se o blog eh útil ou não ....

VISTO



Visto


A questão do visto e muito complicado explicar o procedimento , ate pq tah sempre mudando alguma coisa ... aqui não é igual o Brasil que a burocracia e sempre a mesma coisa e sempre os mesmos documentos .... no caso do visto sempre muda alguma coisa de um semestre pro outro ... então acho mais fácil vc contratar o advogado da universidade Ze Luiz .. alguns amigos fizeram o visto com um advogado chamado Mauricio .. se vc for procurar advogado aqui muito cuidado pq tem muitos que são charlatões .

Documentos pra eu fazer sua matrifcula


Valores UPAL Medicina


Matricula : 150 dolares

Servicio Adcional: 20 dolares

Meu serviço : 50 dolares

Para eu fazer sua matricula vc necessita escanear e mandar pra mim por e-mail :

Histórico escolar

Diploma de segundo grau

Certidão de nascimento – (não serve identidade)

Passaporte - pagina que tem os dados pessoais

e-mail : carolacre_1@hotmail.com

Conta Banco do Brasil

Ana Carolina de Souza Cavalcanti

Ag : 3022-8

Conta: 14200-x

Meu telefone na Bolivia -0021591-79775259

Obs: depois que eu tiver feito sua matricula.. vc pode ligar pra UPAL e perguntar se tah tudo ok

Outra obs : eu não sou representante da UPAL , apenas estudo nessa universidade, até porque a UPAL não tem representantes....

telefone da UPAL 0021591-4486100 falar com a Mari

Matricula Upal



A matrícula já esta abeta na UPAL para quem vai fazer o primeiro semestre ... Falei com a secretária da universidade hj e ela me disse que quem quiser fazer a matricula do primeiro semestre pode sim, mais como os horários ainda não estão definidos os alunos não podem escolher os professores.... uma dicaaaaaa muito importante ... procurem informação sobre os professores .. pq tem uns doutores que adoram prejudicar os alunos brasileiros ....


Obs : as pessoas que eu ajudo .. por favor na hora de fazer a matricular na upal não esqueça de mimmmmm pq a cada pessoa que eu recomendo eu ganho desconto .....

As pessoas que me conhecem e confiam eu TBm posso fazer a matricula .. mais isso até o dia 10 de dezembro .. pq nesse dia estou indo pro Brasillllll

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Ministro confirma revalidação de diplomas em quatro meses

Ministro confirma revalidação de diplomas em quatro meses


Por ASSEM NETO, DE BRASÍLIA

20 de novembro de 2009

Quase a totalidade dos prefeitos acreanos já manifesta apoio à luta dos profissionais, que dependem do registro no Conselho Federal de Medicina

"O Brasil precisa de vocês. 2010 será o ano da revalidação dos seus diplomas", anunciou o ministro José Gomes Temporão (Saúde), na tarde de ontem, em Brasília, durante audiência com os médicos formados no exterior. A Universidade Federal do Acre (Ufac) está confirmada entre as 21 instituições que aderiram ao projeto piloto para a realização de provas teóricas e práticas, previstas para março do próximo ano. O edital com as regras que irão disciplinar os exames, no entanto, sairá em janeiro.



Quase a totalidade dos prefeitos acreanos já manifesta apoio à luta dos profissionais, que dependem do registro no Conselho Federal de Medicina (CFM) para exercerem a profissão. Pela manhã, durante reunião com os ministros da área social, após ter declarado apoio institucional e pessoal aos médicos, ordenou pressa na condução do caso.



Ao todo, foram listadas 455 cidades brasileiras sem nenhum profissional na área de saúde. "É inaceitável", observou Temporão, que conheceu, a partir de uma explanação da deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB) os avanços obtidos até então do Acre, um dos mais adiantados na atenção aos profissionais diplomados na Escola Latino-Americana de Medicina (Élan), sediada em Havana, Cuba. O



"Em nome dos mais de 50 acreanos formados em Cuba e outros mais de 5 mil que hoje cursam Medicina na Bolívia, encaminhamos um compromisso oficial do governo Binho Marques, do Ministério Público Federal, Ufac e da Bancada federal em Brasília. Nossa meta é fechar um termo de ajustamento de conduta, a fim de garantir a permanência desses médicos por no mínimo dois anos no interior do Acre. Eles querem trabalhar, estão capacitados para isso, e o Acre, embora tenha investido bastante nesta área ainda se ressente de profissionais nas regiões mais pobres de seu território. É uma realidade brasileira a carência de mão-de-obra para salvar vidas", explicou a deputada.



Janilson Lopes, que preside a Associação Nacional de Pais e Médicos Formados em Cuba, refez o apelo para que o governo reconsidere a complementação pedagógica como uma segunda chance de aprovação caso os médicos sejam reprovados nos exames práticos e teóricos. O assunto será tratado em novas reuniões de forma a atender as reivindicações dos médicos mas sem ferir a autonomia das universidades, às quais caberia decidir se abririam ou não a complementação das disciplinas Regulamentação do SUS e Epidemiologia como uma segunda chance àqueles que não alcançarem a média de aprovação nas provas teóricas e práticas. "No mínimo, iremos incentivar as universidades a isso", concluiu o ministro.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Eu respondo

Hugão disse...

Comecei à cogitar essa possibilidade pra mim... mas tenho muito receio também.



Tem valido a pena essa experiência pra você?

16 de Novembro de 2009 05:05



Eu respondo..

Hugao tah valendo sim muito apena estudar medicina na Bolívia ... eu larguei tudo no Brasil emprego , família e o ultimo ano da faculdade de Direito... estou adorando tudo e sei que vou ter um futuro muito próspero

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Matérias do Primeiro Semestre

Matérias do primeiro semestre na UPAL


Anatomia I - Pratica e teoria

Citologia – Pratica e Teoria

Biologia de Sistemas – Pratica e Teoria

Técnica de Estúdio – Pratica e Teoria

Suporte Básico de Vida - Pratica e Teoria

Quem quiser mais informações sobre estudar medicina em Cochabamba-BO pode me add no MSN carolacre_1@hotmail.com.


Algumas pessoas me add no MSN e ficam esperando eu teclar com elas.. mil desculpas mais tenho muitas pessoas add no meu MSN que perguntam sobre medicina na Bolivia ... as vezes eu não sei quem eh quem ... então se vc quiser informações pode teclar comigo sem problemas , mais nem sempre vou lembrar se jah teclei ou não com vc .. milllll desculpa novamente .. gosto muito de ajuda e tirar as duvidas sobre esse assunto , por isso pode me chamar pra teclar .. outra coisa se eu não responder eh pq asvezes eu deixo o MSN ligado mais não estou na frente do computador .... quando eu entra no MSN d novo pode perguntar d novo que eu respondo ...

Beijocas ...

Tah Chegando



Semana tensa, últimos dias de aula e de exames práticos agora so falta os exames teoricos e FERIASSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS

Foto da turma de Anatomia II

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Encontro debate regras para revalidação de diplomas




Deputados Nilson Mourão e Perpétua dizem que vitória está próxima

Redação,

Do oriobranco.net

A luta pela validação dos diplomas de medicina de acreanos graduados no exterior terá mais um passo importante nesta sexta-feira (13), em Rio Branco. Os deputados Nilson Mourão(PT) e Perpétua Almeida (PCdoB) estão mobilizando os estudantes, seus pais e os médicos já formados em medicina na Bolívia, em Cuba ou qualquer outro país, para um encontro às 3 horas da tarde no auditório da Assembléia Legislativa. A reunião tem por objetivo esclarecer os interessados, sobre o andamento das ações do governo federal construídos com as universidades, editando novas regras para a realização de provas de revalidação dos diplomas.
O assunto em questão é de grande relevância e deverá beneficiar milhares de estudantes que cursam medicina no exterior, entre eles muitos acreanos que estão em Cuba e na Bolívia e também aqueles que já se formaram mas estão impedidos de exercer a profissão.
Nilson Mourão foi o autor do requerimento para a realização da audiência pública que aconteceu recentemente na Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara dos Deputados e contou com a presença da diretora do Departamento de Gestão da Educação na Saúde, Ana Stela Haddad, responsável por coordenar um Grupo Interministerial criado pelo governo Lula para realizar o processo de validação de diplomas. “Temos a expectativa de resolver brevemente o verdadeiro calvário que se formou para famílias e médicos graduados no exterior na hora de revalidar seu diploma no Brasil. O que sempre pedimos ao governo são regras claras, calendário nacional de provas feitas em universidades de todos os estados e custos reduzidos. Agora estamos conquistando essas vitórias”, destacou Mourão.

No encontro dessa sexta-feira estarão presentes a deputada federal Perpétua Almeida, que também vem atuando para a solução desse problema; o presidente da Assembléia Legislativa do Acre, Edvaldo Magalhães e outras autoridades que estarão realizando esclarecimentos sobre as intervenções no processo.

Perpétua diz que a decisão do governo Lula de enfrentar as corporações médicas como o Conselho Federal de Medicina, foi acertada porque beneficiará a sociedade que terá mais assistência médica. “Temos médicos já formados, prontos para o trabalho, mas impedidos de atuar por conta de burocracia na hora de reconhecer os diplomas. Defendemos que esses profissionais tenham seu conhecimento testado de acordo com a legislação brasileira e depois acolhidos no mercado de trabalho nos municípios mais distantes e carentes”, disse Perpétua Almeida
Durante o evento será distribuído um guia de estudos para os candidatos se prepararem para as provas de validação dos diplomas.

Regras e adequações
Durante audiência pública realizada na Câmara dos Deputados, Ana Stela anunciou a nova decisão do governo federal de ampliar o alcance do processo de validação de diplomas, que anteriormente era específico para estudantes egressos da Escola Latino-Americana de Ciências Médicas (Elam), de Cuba, para os médicos brasileiros formados em qualquer país. Segundo ela, o governo está apresentando às universidades uma grade curricular mínima que estabelece o grau de conhecimento que espera de um médico recém formado. Após entrega dos guias de estudos, os candidatos poderão se preparar para as provas de validação dos diplomas.
A partir desse entendimento os estudantes que cursam ou já concluíram medicina fora do país, poderão revalidar seus diplomas fazendo um exame padrão. As provas teóricas e práticas estão previstas após publicação do edital pelo governo federal, o que deve acontecer no início de 2010, com todas as regras para o exame.

A responsabilidade pela elaboração das provas será do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), do Ministério da Educação. Até o momento, 21 universidades públicas já aderiram ao chamado projeto-piloto de revalidação dos diplomas médicos, entre elas, a Ufac.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Acre na Bolivia

Assembleia dá visibilidade a situação de estudantes na Bolívia
Por AGENCIA ALEAC
07 de novembro de 2009
O câmbio facilita estudar Medicina na Bolívia. A valorização do real em relação ao boliviano permite que, anualmente, dezenas de brasileiros de quase todos os estados do Brasil procurem universidades bolivianas, principalmente em Santa Cruz de La Sierra e Cochabamba, com a finalidade se tornar médico. O preço compensa, a forma de acesso também.
A mensalidade de um curso de medicina em qualquer universidade da Bolívia não supera os R$ 250. Com US$ 4 mil é possível pagar, integralmente, os cinco anos de estudo. E o melhor, para quem não consegue passar pelo estreito funil das universidades públicas brasileiras: não é necessário prestar vestibular.

No Brasil, além de enfrentar a concorrência gigantesca nos vestibulares das universidades públicas, aqueles que não conseguem passar pela peneira têm que ter padrão econômico acima da média para bancar os custos nas universidades particulares, onde as mensalidades não são inferiores a R$ 2,5 mil.
Os estudantes brasileiros chegam à Bolívia embalados pelo sonho de se formar em medicina e, após devidamente formados, voltar para o Brasil, trabalhar e obter rendimento compatível com a profissão.
Não são apenas os estudantes que sonham. Os pais também compartilham desse sentimento. São pessoas como o policial legislativo José Israel Lira, que tem uma filha estudando na Universidad Cristina de Bolívia (Ucebol). “Ela é técnica em enfermagem, começou a cursar fisioterapia, mas ser médica é o que sempre sonhou”, diz o pai.
O sonho, porém, muitas vezes se transforma em pesadelo quase incurável. Num país estranho, os jovens sofrem para se adequarem à comida, ao idioma e aos costumes.
O sofrimento maior é pela discriminação. Seus direitos mais elementares são desrespeitados. São alvos prediletos dos assaltantes e as mulheres constantemente são vítimas de tentativas de abuso sexual. O pior é que não têm a quem recorrer. Os policiais bolivianos e até da Interpol são movidos pelo combustível da propina.
Os consulados do Brasil em Santa Cruz de La Sierra e Cochabamba raramente estão com boa vontade para abrigar os compatriotas. As instituições bolivianas fazem exigências absurdas, ignorando que somente os estudantes brasileiros movimentam quase quatro milhões de reais por mês nas duas cidades.
Estudantes apanham na rua e em casa. Das autoridades bolivianas e das brasileiras.
Em outubro o estudante acreano Jeferson Paro foi assassinado em Santa Cruz da La Sierra. Provocados pelos pais de outros estudantes, os deputados estaduais acreanos resolveram subir a Cordilheira do Andes até La Paz, capital administrativa da Bolívia, para conversar com autoridades bolivianas sobre o tema.
“Foi preciso esse jovem morrer para a população do Acre ficar sabendo que há quase dois mil jovens bolivianos nas universidades daquele país”, comentou o deputado Luiz Calixto (PSL), que tem uma filha estudando em Santa Cruz da La Sierra.
Composta por nove parlamentares e dois secretários de Estado, a comitiva acreana teve as portas dos gabinetes ministeriais abertas pelo senador de Pando Andrés Guzmán.
Houve reunião com o ministro da Educação, Roberto Aguilar, e a ministra da Justiça, Celima Torrico.
Em plena campanha para as eleições gerais da Bolívia, marcada para o dia 6 de dezembro, os assessores do presidente Evo Morales demonstraram interesse em aprofundar os debates e encaminhar soluções.
De La Paz, a comitiva foi a Santa Cruz de La Sierra, onde realizou reunião com estudantes da Universidad de Aquino de Bolívia (Udabol) e da Ucebol.
Reunidos com os estudantes, os deputados e secretários puderam sentir de perto as aflições de jovens que se sentem completamente desamparados. A maioria reclama do Consulado brasileiro e das exigências do governo boliviano para conceder o visto de permanência como estudante.
Como resultado das reuniões, os integrantes da comitiva acreana decidiram encaminhar questões importantes como a luta pela revalidação dos diplomas e tentar facilitar a concessão do visto de permanência como estudante, haja vista que esse tem que ser renovado anualmente ao custo médio de US$ 500.
Os parlamentares estaduais também decidiram se unir à bancada federal acreana para manter audiência com o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, a fim de fazer cumprir acordo firmando entre os governos do Brasil e da Bolívia, em 1939, que garante gratuidade em vistos nos passaportes de estudantes em ambos os países.
Nessa audiência com Celso Amorim deverão participar, além de parlamentares, quatro estudantes escolhidos durante as reuniões realizadas em Santa Cruz de La Sierra.
“Considero a viagem muito boa. Estou cada vez mais convencido de que tomamos a decisão correta de ir à Bolívia para verificar a situação de perto. Agora, devemos encaminhar as coisas com a devida celeridade para que os nossos estudantes sejam, o quanto antes, beneficiados”, salientou o presidente da Assembléia Legislativa, Edvaldo Magalhães (PC do B).

Corrida à Bolívia começou na década de 90
O intercâmbio de estudantes latinoamericanos começou no início do século passado. As participações nessa direção, no entanto, eram esporádicas e decorrentes de iniciativas isoladas.
No distante ano de 1917, por exemplo, foram registradas presenças de brasileiros estudando no Uruguai. Por outro lado, dois anos depois, em 1919, estudantes, argentinos, chilenos, paraguaios e uruguaios realizavam cursos de nível superior no Brasil, inclusive na Escola Militar e na Escola Naval.
Somente em 1941, em razão do aprofundamento das relações culturais entre o Brasil e a Bolívia, apareceu o primeiro contingente de estudantes bolivianos no país.
As relações brasileiras com os outros países latinoamericanos se aprofundaram com a eclosão da Segunda Guerra Mundial, provocando interesses comuns e propiciando maior intercâmbio estudantil.
Mas foi em meados da década de 90 que os jovens brasileiros passaram a recorrer às faculdades de países vizinhos para fugir do fantasma do vestibular.
Atualmente, há estimativa de que cerca de 10 mil brasileiros estudem em países da América Latina e do Caribe. Somente na Bolívia existem aproximadamente seis mil. Desses, quase dois mil são provenientes do Acre.
Governo do Acre pode bancar a revalidação
Um dos maiores problemas dos estudantes de Medicina na Bolívia e de outros países da América Latina e do Caribe, após concluírem o curso e retornarem ao Brasil, é a revalidação dos seus diplomas.
Para exercerem a profissão em solo brasileiro necessitam passar por teste nas universidades públicas em razão da diferença de grade curricular. Na hora do teste. Muitos são reprovados.
Uma saída para a legalização dos diplomas está sendo construída pelo governo do Estado e a Universidade Federal do Acre (Ufac).
O governo pode bancar os custos para que os médicos consigam obter os créditos necessários para poder trabalhar. A proposta deverá ser votada nos próximos dias pelo Conselho Universitário, com amplas possibilidades de ser aprovada.
“Precisamos, imediatamente, de cem médicos, mas não temos como contratar”, comentou o deputado Edvaldo Magalhães.
O dinheiro investido pela administração estadual, no entanto, não será apenas para ajudar a legalizar a situação dos formados. Eles terão que pagar um preço social pelo investimento prestando serviço por tempo mínimo de dois anos nos municípios mais distantes e carentes do Acre.
“O governador está empenhado em transformar o Acre no melhor lugar para ser viver na Amazônia a partir de 2010. A contratação de médicos para trabalhar nas localidades mais distantes é um dos instrumentos para que isso aconteça”, destacou o chefe da Casa Civil, Edson Américo Manchini.
Validação automática - Na década de 70, o Brasil firmou acordo de cooperação acadêmica que previa a validação automática dos diplomas obtidos em países latinos e caribenhos.
As coisas mudaram em 1999, quando o presidente da República Fernando Henrique Cardoso saltou fora do acordo. Há 10 anos, para ter o diploma reconhecido no Brasil, os formandos têm de prestar exames em universidades públicas brasileiras.
Como a taxa de reprovação é altíssima, muitos reprovados pedem na Justiça a revalidação do diploma, alegando que começaram a estudar antes que o acordo latino-americano fosse extinto. Outros vão trabalhar no interior, longe dos olhos do Conselho Regional de Medicina (CRM), onde exercem a profissão em razão da carência absoluta de profissionais na área de saúde.

Visto de permanência, um problema constante
Os brasileiros que quiserem estudar na Bolívia deverão, antes de viajar, obter o visto de estudante em consulado boliviano no Brasil. O visto de turista de quem já está em terras bolivianas não pode ser transformado em de estudante. Essa é uma regra clara, mas muitos não cumprem.
Estima-se que existam cerca de seis mil estudantes brasileiros distribuídos entre Santa Cruz de La Sierra e Cochabamba. Parcela significativa não possui visto de estudante.
Antes de embarcar para uma cidade boliviana para estudar, os brasileiros devem solicitar antecipadamente o visto de estudante (às vezes chamado de “previsa”) num consulado
boliviano no Brasil. O visto custa US$ 43,00, mas as despesas para obter os demais documentos podem chegar a US$ 500.
São vários documentos, que vão do passaporte brasileiro com validade mínima de seis meses, passando pelo certificado de que não tem doença infecto-contagiosa e Aids, até chegar à capacidade de pagar as despesas na universidade.
Muitos brasileiros vivem em situação irregular, e por isso são submetidos a situações vexatórias, porque entram no país com a clara intenção de burlar a legislação. Esquecem que a lei boliviana não permite mudar o status de turista para estudante dentro do território boliviano.
O brasileiro que adentrar o território boliviano como turista, mas com o objetivo de estudar, é obrigado a sair da Bolívia para tramitar seu pedido de visto de estudante em algum consulado boliviano, o que sempre acarreta transtornos e gastos desnecessários.

Pela legislação, o brasileiro só pode permanecer 90 dias em território boliviano como turista. Se for pego pelo Serviço Nacional de Migrações após esse prazo, deverá pagar multa de 14 bolivianos por dia excedente. De qualquer forma, como turista, não poderá freqüentar legalmente uma universidade boliviana.
Além da multa para o brasileiro ilegal, a universidade é multada em 3.000 bolivianos por cada estudante estrangeiro sem visto que acolher.

Depois de chegar à Bolívia com o visto de estudante, o brasileiro tem 60 dias para ir ao Serviço Nacional de Migrações (Senamig) e solicitar a “residência temporária para estudante”, que é uma etiqueta colada no seu passaporte. A “residência” custa 800 bolivianos É válida por um ano.
A etapa burocrática não para por aí. Obtida a residência, o estudante deve solicitar ao Senamig o “carnê de estudante estrangeiro”, que custa 258 bolivianos. São exigidos mais documentos.
O carnê de estrangeiro é obrigatório e exigível por qualquer autoridade, devendo o estudante brasileiro andar sempre com ele.
Antes de embarcar para uma universidade da Bolívia para estudar Medicina nem sempre os brasileiros sabem que os requisitos para estudar legalmente no país são múltiplos e caros, assim como a penalidade pela transgressão.
Ministro contra atravessadores
Na audiência com o ministro da Educação da Bolívia, Roberto Aguilar, a comitiva brasileira foi informada de que algumas universidades bolivianas não estavam fazendo o uso de instrumentos éticos para atrair estudantes brasileiros.
Demonstrando pouca afinidade com a educação privada, Aguilar destacou a necessidade de estabelecer mecanismos capazes de garantir aos estudantes brasileiros direitos fundamentais. “Estamos preocupados com a situação”, disse.
Aguilar revelou que o governo boliviano está recebendo assessoramento do governo brasileiro para modernizar o sistema educacional daquele país. Segundo ele, é necessário identificar aspectos problemáticos para poder encontrar as soluções.
O ministro salientou que é necessário construir um espaço de solução para as questões envolvendo os brasileiros, criando mecanismos que evitem o requerimento individual do estudante.
“Devemos ter uma relação mais institucionalizada para os estudantes terem plena garantia de que estudarão numa universidade reconhecida”, orientou.
Essa relação institucionalizada, segundo Aguilar, poderia ser por meio das secretarias de Estado de Educação, onde os interessados se inscreveriam, demonstrariam a intenção de estudar na Bolívia e por onde todo o trâmite legal seria realizado.
Roberto Aguilar assumiu o compromisso de visitar o Acre, onde aproveitará para conhecer as experiências bem sucedidas no campo educacional.
Cônsul assume compromisso para fazer valer acordo
Quando o cônsul do Brasil em Santa Cruz da La Sierra, Roberto Pessoa, foi anunciado, os estudantes presentes no auditório da Udabol lhe recepcionaram com vaia. Não era para menos, os brasileiros reclamam que não são atendidos condignamente no Consulado brasileiro naquela cidade.
Experiente, ex-militante do movimento estudantil na década de 60, Pessoa usou da diplomacia para acalmar os ânimos. Antes, porém, havia sido estocado pelos deputados Luiz Calixto e Edvaldo Magalhães.
“Quem for maltratado na Embaixada pode me procurar, que saberei tomar as providências. Vou me empenhar para que o tratado entre o Brasil e a Bolívia seja cumprido”. Foi aplaudido.
Roberto Pessoa se referia a um tratado assinado entre os governos do Brasil e da Bolívia, em 12 de agosto de 1939, assegurando gratuidade de vistos em passaportes de estudantes de brasileiros e bolivianos. O cônsul apelará para a reciprocidade, haja vista que as exigências não são feitas aos bolivianos que frequentam as universidades brasileiras.
Pelos termos do tratado, os estudantes brasileiros e bolivianos, que se destinem respectivamente ao Brasil e à Bolívia, com o fim de iniciar ou prosseguir seus estudos nas faculdades ou institutos de ensino de qualquer dos dois países, terão direito ao visto gratuito em seus passaportes.
Em cada caso, o solicitante do visto deverá apresentar à autoridade consular um documento que, a critério desta, prove a sua qualidade de estudante e o objeto de sua viagem.
A gratuidade, segundo expresso no tratado, não dispensa o estudante da obrigação de apresentar para a legalização consular, também gratuita, os documentos exigidos pelos regulamentos dos dois países.
O acordo entrou em vigor no dia 1º de agosto de 1939, mas, segundo o cônsul, está sendo violado desde 1990, quando os brasileiros começaram a correr em direção à Bolívia.
Quebra de paradigma e inicio da relação institucional
A comitiva formada por deputados estaduais e secretários quebrou paradigmas ao estabelecer contato direto com autoridades do governo boliviano. Esse tipo de relação comumente é estabelecido por meio dos ministérios de Relações Exteriores e leva até seis meses para se concretizar.
Sempre intermediado pelo senador Andrés Guzmán, o contato dos acreanos com membros da administração federal da Bolívia começou a se estabelecido no fim do mês passado, quando deputados foram recebidos em Cobija pelo ministro-chefe da Casa Civil boliviana, Juan Ramon Quintana e pelo prefeito do Departamento de Pando, almirante Rafael Bandeira. Na ocasião, foi debatida a situação dos brasileiros que moram em seringais daquele país.
Um novo encontro aconteceu, ainda no mês passado, com Ramon Quintana e o vice-presidente da República da Bolívia, Álvaro Garcia Linera, quando a questão do desenvolvimento fronteiriço foi debatida.
Em La Paz, numa demonstração de respeito, os acreanos foram recepcionados pela senadora Leonilda Zurita, uma dos ícones da esquerda boliviana.
Leonilda Zurita é secretária de Assuntos Internacionais do Movimento ao Socialismo (MAS) e uma das colaboradoras mais próximas do presidente Evo Morales. Ambos são do movimento cocalero da Região de Chapare.
Em 2006, os Estados Unidos revogaram o visto de entrada da senadora naquele país, alegando uma suposta vinculação dela com “atividades terroristas”.
Ainda em La Paz, foram realizadas audiências proveitosas com os ministros da Educação, Roberto Aguilar, e da Justiça, Celima Torrico.
Satisfeito com as perspectivas de avanços, o presidente da Assembléia Legislativa, Edvaldo Magalhães, resumiu as audiências: “As nossas relações foram marcadas por iniciativas individuais. Quando isso acontece, as instituições não se encontram. Está na hora de institucionalizar nossos laços”.

Principais pontos levantados
Revalidação do diploma – O governo do Estado iniciou com a Ufac diálogo para bancar os custos com a revalidação. A proposta irá para o Conselho Universitário. A idéia é abrir um contingente de vagas anual para os médicos formados no exterior. Esses profissionais seriam lotados em municípios mais distantes.

A formalização do acordo deve ser aprovada na Assembléia Legislativa.
Visto de permanência – O cônsul Roberto Pessoa assumiu o compromisso de se empenhar para que o acordo de 1939 seja cumprido. Paralelo a isso, as bancadas estadual e federal do
Acre marcarão audiência com o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim, para debater o assunto. Quatro estudantes participarão.
Entrada na universidade – O ministro da Educação da Bolívia, Roberto Aguilar, propôs que, em vez de iniciativas individuais, o ingresso dos brasileiros nas universidades bolivianas ocorra de forma institucionalizada.
Propôs que as secretarias estaduais de Educação sejam habilitadas para providenciar os trâmites legais.
Desconto nas passagens – Os deputados se reuniram com direção da companhia Aero Sur, que assumiu o compromisso de baratear os custos das passagens para estudantes brasileiros e os seus pais.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

La Paz III


Invadindo a casa da GIO em La Paz ... amigo eh pra essas coisas mesmo kkkkkk Gio obrigada por tudo e desculpa algumas coisas .....

La Paz


Saindo de casa rumo a La Paz , na mala não poderia faltar uma apostila pq na semana seguinte jah tinha uma provinha me esperando , soh pra variar !!!!

Bolivia x Brasil

Minha nossssaaaaaaaaaaaaaaaaaaa nem acredito que depois de milhões de tentativas eu consegui postar alguma coisa no Blog .. Aleluia irmão.

Foto:
Saindo de casa rumo a La Paz ...

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Bem- vinda ...




No final de semana passado recebi a visita de uma grande amiga Giovana , que não é a Antonelli, mais é linda como ela kkkkkkkkkkkkkkk Gio de la Paz da o ar da graca em cocha. Amiga vc será sempre bem- vinda

sábado, 26 de setembro de 2009

Boliviana de carteirinha


Ontem recebi minha carteira de identidade Boliviana .. agora sim sou Patricia kkkkkkkkkkkk
Nombre: Ana Carolina
Apellido: de Souza Cavalcanti
Domicilio: Av america n 179
Nacido el : 27/11/82
Nacionalidad: Brasileira
N: passaporte cy 565112
Estado civil: Soltero
Profesion: Estudiante

Com quanto se vive em Cocha ???


Bom, tudo vai depender de como vc quer viver kkkkkk os valores nao sao valores exatos sao apenas valores em media.

Matricula na Upal 170 dolares
Mensalidade 100 dolares
Aluguem 150 a 200 dolares
Alimentacao 80 a 100 dolares
visto com advogado uns 500 a 700 dolares .. esse visto vc tira por ano

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Dalai Lama

Só existem dois dias no ano que nada pode ser feito. Um se chama ontem e o outro se chama amanhã, portanto hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer e principalmente viver.

domingo, 20 de setembro de 2009

CRM

Legislação17-09-2009
Portaria Interministerial MS/MEC nº 865
Projeto piloto para revalidação de diploma de médico expedido no exterior
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO e MINISTÉRIO DA SAÚDEGABINETE DO MINISTROPORTARIA INTERMINISTERIAL MEC/MS Nº 865, DE 15 DE SETEMBRO DE 2009

Aprova o Projeto Piloto de revalidação de diploma de médico expedido por universidades estrangeiras e disponibilizar exame de avaliação com base em matriz referencial de correspondência curricular, com a finalidade de subsidiar os procedimentos de revalidação conduzidos por universidades públicas.

OS MINISTROS DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhes confere o art. 87 da Constituição, e Considerando o disposto no art. 48, § 2º, da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, bem como a preocupação comum do Ministério da Educação (MEC), do Ministério da Saúde (MS) e das universidades públicas em estabelecer sistemas de avaliação que tenham como foco a aptidão para o exercício profissional do graduado em Medicina, em consonância com os diagnósticos de necessidades nacionais e regionais;
Considerando a necessidade de oferecer às universidades públicas, como medida de equidade e racionalidade, um exame de revalidação de diplomas médicos expedidos no exterior com parâmetros e critérios mínimos para aferição de equivalência curricular;
Considerando a recente adequação do instrumento de aferição da qualidade dos cursos de medicina ministrados no Brasil, decorrente das Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em medicina, instituídas pela Resolução CNE/CES nº 4, de 7 de novembro de 2001, e pela Portaria MEC/GM nº 474, de 14 de abril de 2008; e
Considerando os resultados dos trabalhos da Subcomissão Temática de Revalidação de Diplomas Médicos de que trata a Portaria Interministerial MEC/MS nº 383/09, resolvem:
Art. 1º Aprovar o Projeto Piloto de revalidação de diploma de médico expedido por universidades estrangeiras e disponibilizar exame de avaliação com base em matriz referencial de correspondência curricular, com a finalidade de subsidiar os procedimentos de revalidação conduzidos por universidades públicas.

§ 1º O exame será utilizado pelas universidades públicas que aderirem ao Projeto Piloto estabelecido nesta Portaria e terá como base a Matriz de Correspondência Curricular elaborada pela Subcomissão Temática de Revalidação de Diplomas, instituída pela Portaria Interministerial MEC/MS nº 383/09 (Anexo).§ 2º Os candidatos inscritos deverão comprovar ter concluído a graduação em Medicina, em curso devidamente reconhecido pelo Ministério da Educação ou órgão correspondente, no país de conclusão, com carga horária mínima de 7.200 horas, período de integralização de 6 anos e 35% da carga horária em regime de treinamento em serviço/internato, de acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Medicina (Resolução CNE/CES nº 04/2001).

Art. 2º O exame constará de duas avaliações sucessivas e eliminatórias, sendo uma escrita e uma de habilidades clínicas, respectivamente.
Parágrafo único. O exame será implementado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) com a colaboração das universidades públicas que aderirem ao Projeto Piloto.
Art. 3º O exame tem por objetivo verificar a aquisição de conhecimentos, habilidades e competências requeridas para o exercício profissional adequado aos princípios e necessidades do Sistema Único de Saúde.

Art. 4º As universidades públicas interessadas em participar do Projeto Piloto, regulado por esta Portaria, deverão firmar termo de adesão com o Ministério da Educação.
Art. 5º Caberá às universidades públicas que aderirem ao Projeto Piloto, após a divulgação do resultado do exame, adotar as providências necessárias à revalidação dos diplomas dos candidatos aprovados.

Art. 6º Os recursos para cobertura das despesas decorrentes das medidas necessárias à consecução do exame de que trata esta Portaria serão cobertas pelas dotações consignadas no orçamento do INEP para o exercício de 2009, no Programa 1449 - Estatísticas e Avaliações Educacionais, Ação 8257 – Avaliação da Educação Superior - PTRES 021120, Fonte de Recursos 0112000000 e Natureza de Despesa: 339039 - Serviços de Terceiros - Pessoa Jurídica.
Art. 7º Poderão candidatar-se à realização do exame de que trata esta Portaria os portadores de diplomas de Medicina expedidos no exterior, em cursos que atendam a parâmetros similares aos nacionais, conforme o disposto no art. 1º, § 2º.
Art. 8º O processo regulado por esta Portaria não exclui o procedimento ordinário de revalidação de diplomas realizado pelas universidades públicas.
Art. 9º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
Art. 10. Fica revogada a Portaria Interministerial MEC/MS nº 444, de 15 de maio de 2009, publicada no Diário Oficial da União, nº 92, de 18 de maio de 2009, seção 1, pg. 18.
FERNANDO HADDADMinistro de Estado da Educação
JOSÉ GOMES TEMPORÃOMinistro de Estado da Saúde


http://www.cremesp.org.br/?siteAcao=Legislacao&id=512

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Injeção

video

aprendendo a aplicar Injeção .. tadinho do Thiago kkkkkkkk

domingo, 30 de agosto de 2009

Visita Ilustre






Os estudantes brasileiros de medicina que estudam em Cochabamba-Bolivia receberam a visita de um representante do Ministério das Relações Exteriores.
Os alunos reivindicaram:

Instalação de um agencia do Banco do Brasil
Que a imigração tenha mais atenção com os estudantes
Uma melhora na burocracia para renovação do visto
E principalmente que a revalidação do CRM seja feita como um estagio probatório de um ano a 6 meses.

O representante escutou todas as reivindicações feitas pelos alunos e prometeu encaminhar aos seus superiores.

Paprika




Paprika eh um restaurante bem interessante que tem aqui em Cochabamba, como aqui eh bem frio vc pode saborear um delicioso fondui de carne .. aproveite e bom apetite

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Gripe suina ou nova Gripe

Na uiversidade Upal nenhum caso. Agora estamo em semana de provas e so entra na universidade com uma caneta, documento .


Segundo o jornal, Los Tiempos :


El Centro Nacional de Enfermedades Tropicales (Cenetrop) de Santa Cruz, confirmó ayer que ya son 31 los casos con influenza A H1N1, después de confirmarse en esa ciudad los dos últimos casos en un joven y en un niño, ambos internados.

El director del Cenetrop, Jorge Vargas, dijo que hasta ayer se analizaron 302 muestras enviadas desde todo el país, de las cuales 174 eran de Santa Cruz, que continúa siendo el departamento más afectado por este virus con 22 casos positivos.
También se analizaron las muestras de 54 sospechosos de Cochabamba, de los cuales tres dieron positivo; 63 de La Paz (tres positivos); dos en Chuquisaca; ocho en Oruro (dos), y uno de Tarija, que dio positivo.

Vargas recordó la importancia de tener un laboratorio instalado en el Cenetrop que diagnostica con exactitud y en 12 horas los resultados, lo que ayuda a detectar infectados y evitar posibles contagios. Descartó que el laboratorio vaya a colapsar por la demanda, ya que se van realizando las muestras de acuerdo a la llegada de estas y en grupos de 45.

Universidade UPAL


Esse e o predio da UPal, UNIVERSIDAD PRIVADA ABIERTA LATINOAMERICA.

End: Av. América #524 entre Potosí y Pantaleón Dalence



03.08.2009 - 03.08.2009

Inicio de Clases Teóricas y Prácticas Gestión II/2009



13.07.2009 - 13.07.2009

Inicio de Inscripciones Gestión II/2009



14.08.2009 - 14.08.2009

Último día de Inscripción

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Futebol na UPAL


O time Los Finados ganhou o campeonato de futebol da UPAL de 2009. parabéns meninos

domingo, 28 de junho de 2009

PROFESSORES




Esses dois sao otimos professores da UPAL : DR Romero prof de citologia e Dr Canedo Prof de anatomia. E essa galerinha sao os seus melhores alunos kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

quarta-feira, 24 de junho de 2009

sabado na UPAL

Sabado na faculdade, aula de Anatomia e citologia ... 6:45 da manha .. eitah vontade de estudiar kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk